O caso do petróleo

Faz tempo que a gente vem dizendo que o petróleo perdeu a “majestade” no reino dos investimentos de longo prazo. Há muitos anos temos denunciado a necessidade de o Brasil se preparar adequadamente para a inevitável transição dos combustíveis fósseis para fontes limpas e renováveis de energia.
 
Mesmo testemunhando a exuberância da Petrobras nos bons tempos do barril a U$ 140; mesmo contraditando os cenários deslumbrantes que apontavam o pré-sal como a “redenção do Brasil”; mesmo quando o lobby do “ouro negro” sabotava as Conferências do Clima, financiava pesquisas em favor dos “céticos”, ou quando pressionava vários países do mundo – como faz ainda hoje no Brasil – a subsidiar pesadamente a exploração de petróleo e gás, mantivemos a mesma opinião: a farra dos combustíveis fósseis estava com os dias contados.
 
Hoje, em Paris, o Banco Mundial – maior e mais conhecido banco de investimento no mundo – anunciou que vai deixar de financiar a exploração e extração de petróleo e gás a partir de 2019. Atualmente esse gênero de investimento representa 2% do portfólio do Banco, que anunciou ainda o compromisso de destinar 28% de seus empréstimos a projetos que ajudem a reduzir as emissões de gases estufa em todo o planeta. Pra completar, o Banco Mundial passará a publicar a partir do ano que vem as emissões de gases resultantes de cada atividade financiada pela instituição.
 
Haverá sempre alguém que considere anúncios como esse algo menor, sem o poder de abalar o império construído a partir de disputas sangrentas por jazidas, invasões de países soberanos, graves desastres ambientais, poluição do ar e das águas. Além de muita corrupção.
 
Mas outros impérios ruíram antes por não perceberem a tempo o risco do colapso.
 
O petróleo continuará sendo importante no longo prazo onde não houver queima, mas o aproveitamento de derivados não combustíveis.
 
Se você tem ações em companhias de petróleo e acredita que este continua sendo um dos melhores investimentos do mercado, tudo bem.
 
Se se delicia com as teses de que o aquecimento global é uma farsa, e que uma grande teoria da conspiração em escala global tenta subverter a verdade científica, nenhum problema.
 
Depois não diga que eu não avisei.
 
André Trigueiro