Educação Ambiental na TV

Cidades e soluções é uma série de TV objetiva, dinâmica e, sem dúvida, de grande utilidade pública. Há pouco mais de um ano, os programas abordam e questionam problemas enfrentados pelos cidadãos das metrópoles, trazendo soluções possíveis e imediatas a curto e médio prazo. “Priorizamos aquelas soluções que sejam sustentáveis, de baixo custo e fáceis de serem replicadas”, explica o apresentador e editor-chefe André Trigueiro.

No ar desde outubro de 2006, pela Globo News e o Canal Futura, o programa já falou sobre o uso da bicicleta, a reciclagem dos entulhos, o destino do lixo eletrônico, o tijolo e o asfalto ecológico e a coleta da água da chuva. No currículo, são 47 episódios (clique aqui e veja a relação completa) e dois prêmios: Ethos de Jornalismo e o ABCR de Jornalismo.

Pós-graduado em Gestão Ambiental pela Coppe/UFRJ e professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da Pontifícia Universidade Católica do Rio (Puc-Rio), André Trigueiro, em entrevista ao site do RIO MÍDIA, fala sobre a criação da série, comemora a repercussão e o fato de os programas ainda serem utilizados por alunos e professores.

Confira:
RIO MÍDIA – Por que produzir um programa que busca soluções para um mundo sustentável?

André Trigueiro
– A função social do jornalista não se resume a revelar o que está errado, mas também a sinalizar rumo e perspectiva. É isso que tentamos fazer no programa, abrindo espaço para experiências e práticas que já fizeram a diferença – para melhor – na vida das cidades.

RIO MÍDIA – A criação do programa mostra que a mídia pode de fato contribuir de forma responsável e pró-ativa no dia-a-dia da população?

André Trigueiro
– Não tenho a menor dúvida disso e espero que mais programas comprometidos em apontar soluções apareçam por aí.

RIO MÍDIA – No início deste ano, os meios de comunicação foram criticados por adotar um viés sensacionalista ao abordar questões ligadas ao aquecimento global. Qual é a linha adotada pelo programa?

André Trigueiro – Mostramos experiências que resolveram efetivamente problemas de cidades no Brasil e no exterior. Não perdemos tempo com os problemas. Apenas lembramos que eles existem para logo em seguida abrirmos espaço para as soluções. Priorizamos aquelas que sejam sustentáveis, de baixo custo e fáceis de serem replicadas. Tem funcionado.

RIO MÍDIA – Em que medida o programa fala com as crianças e os jovens?

André Trigueiro
– Nos comunicamos muito bem com os jovens e temos um ótimo retorno desse segmento. Um ou outro programa talvez seja interessante também para a garotada mais miúda, embora esta não seja a nossa intenção. Nosso público-alvo é amplo e alcança todos os segmentos da sociedade preocupados em descobrir o que dá certo, o que funciona, o que dá resultados. Nesse sentido, entendo que a empatia com o público jovem vem do fato de que falamos de assuntos que trazem esperança. Nos sentimos confiantes na capacidade do ser humano resolver problemas aparentemente insolúveis. E, às vezes, as soluções dependem muito mais de boa vontade do que de dinheiro e tecnologia.

RIO MÍDIA – Há algum retorno de como as escolas vêm utilizando os programas?

André Trigueiro
– Sim. Recebo muitas mensagens de professores e educadores que usam os programas nas salas de aula. Uma professora de Novo Hamburgo (Rio Grande do Sul) chegou a enviar numa pasta todas as redações feitas pelos alunos sobre assuntos do programa. Era o agradecimento dela ao material exibido na TV. A variedade de temas permite que os programas se adaptem facilmente a qualquer grade curricular de qualquer disciplina escolar ou universitária. Trata-se de um programa multidisciplinar que muitos professores já aprenderam a usá-los como recurso pedagógico. Também recebemos mensagens de políticos (vereadores, deputados e senadores) agradecendo o programa pela inspiração para novos projetos. Guardo todas as mensagens comigo, como registro da contribuição do Cidades e Soluções para a construção de um país melhor.

RIO MÍDIA – Um ano no ar. Qual é o balanço? Quais são as perspectivas para 2008?

André Trigueiro
– Estamos muito felizes por que em apenas um ano conquistamos dois prêmios (o Prêmio Ethos de Jornalismo e o Prêmio ABCR de Jornalismo) e um espaço muito importante no Canal Futura, onde o programa também passou a ser exibido. Há projetos para reunir as melhores experiência em DVD e livro, mas isso ainda está em gestação.

RIO MÍDIA – Há algum projeto de o programa entrar na grade da programação da TV aberta?

André Trigueiro – Muita gente diz isso. Seria interessante. Mas devo reconhecer que a exibição dos programas na Globo News, no Futura, e a possibilidade de qualquer internauta assisti-los sem custo pela telinha do computador (todos os programas estão disponíveis e podem ser baixados gratuitamente) já é algo fabuloso.

Entrevista concedida a Marcus Tavares