Combate ao desmatamento da Amazônia está ameaçado

Já falamos aqui que o Governo Temer promove o loteamento das Superintendências do IBAMA em todo o Brasil entre aliados políticos sem qualquer conhecimento ou experiência na área. Pior: em boa parte dos Estados, estão sendo nomeadas pessoas que afrontam os quadros técnicos do IBAMA por serem notórios vilões do meio ambiente. É o que está acontecendo neste momento no Pará, Estado que concentra algumas das mais acirradas e violentas disputas de terra, desmatamentos ilegais, pecuária extensiva em áreas embargadas pelo governo, projetos de mineração e de hidrelétricas, entre outras atividades que exigem – por razões óbvias – uma presença ativa, corajosa e atuante dos órgãos ambientais.
 
Na última sexta-feira foi nomeado Superintendente do IBAMA no Pará o Sr. Edimax Gomes Gonçalves, envolvido em processos fraudulentos nos quais defendeu – como advogado – pecuaristas flagrados cometendo desmatamentos ilegais ou criando gado em áreas embargadas.
 
Nos tempos em que atuava como contratado da assessoria jurídica na SEMAS (Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade), Edimax se envolveu em processos suspeitos nos quais teria dado pareceres favoráveis a Planos de Manejo Florestais Sustentáveis que se revelaram fraudulentos. Por essa razão, Edimax responde a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).
 
Os servidores do IBAMA no Pará consideram a indicação de Edimax um retrocesso, e protestam contra o risco desta indicação política prejudicar uma das Superintendências mais atuantes e estratégicas do país. Mais de 30% de todas as autuações do IBAMA em todo o Brasil são registradas justamente no Pará, incomodando muitos interesses.
 
Teme-se que com a nomeação do novo Superintendente, o combate ao desmatamento seja esvaziado e que o roubo de madeira de terras indígenas e Unidades de Conservação s intensifique.
 
Os servidores leais ao IBAMA no Pará (especialmente os quadros técnicos concursados) lembram dos resultados importantes obtidos em operações realizadas (e planejadas) no próprio Estado, como Carne Fria, Rios Voadores, Castanheira, Boi Pirata, Genesis, que correm o risco de não seguirem em frente na atual gestão.
 
Esta página está aberta para os esclarecimentos que o Sr. Edimax Gomes Gonçalves deseje fazer. É triste que o discurso em favor do meio ambiente a partir de Brasília se revele tão violentamente contraditório no resto do país. Especialmente na Amazônia. Neste exato momento, no Pará.
André Trigueiro