Por Daniela Kussama | outubro 20, 2017 10:48 am

Outro grave retrocesso ambiental do Governo Temer: nomeação políticas inéditas (e desastrosas) para cargos de chefia no ICMBio. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade gerencia 324 Unidades de Conservação Federais no País. As Coordenações Regionais – normalmente ocupadas por servidores com competência técnica – estão sendo loteados politicamente.

Esta semana foram sacramentadas as nomeações de um empresário ligado ao DEM para chefiar uma área que abarca 33 Unidades de Conservação do Rio de Janeiro, São Paulo e sul de Minas Gerais; e de um ex-vereador do PDT para chefiar área que abrange 32 Unidades de Conservação no Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí, Alagoas, Bahia, Sergipe, Paraíba, Sergipe, Paraíba e Pernambuco. Em ambos os casos houve apadrinhamento político explícito, em detrimento do corpo técnico funcional. Os detalhes você pode acessar neste link (http://rogeriorocco.blogspot.com.br).

No caso específico do ex-vereador do PDT – conhecido como Zé Carlos, sem nível superior nem qualquer ligação com a área ambiental – é assustador ler o que ele escreveu no Facebook dias atrás. Reproduzo abaixo o texto publicado no blog do Rogério Rocco (já citado aqui).

Aos que quiserem engrossar a lista contra as nomeações políticas no ICMBio, segue o link do abaixo assinado virtual organizado pelos servidores do Instituto:

https://secure.avaaz.org/po/petition/MINISTRO_DO_MEIO_AMBIENTE_SARNEY_FILHO_CONTRA_O_LOTEAMENTO_DE_CARGOS_PUBLICOS_NA_AREA_AMBIENTAL/?aAPXFab

 

André Trigueiro