Por Mundo Sustentável | junho 14, 2016 3:01 pm

 

“Há sempre uma Maria Antonieta, uma Imelda Marcos ou uma Claudia Cruz para queimar os guias de estilo”. A jornalista Renata Izaal se inspirou na gastança da mulher de Eduardo Cunha com roupas, bolsas e sapatos de grife – ao que parece com dinheiro alheio – para produzir um texto devastador sobre quem perde a linha na tentativa de andar na moda desconectado do mundo em que vivemos. “Dizem os gurus de estilo e, é claro, o bom senso, que ostentar é vulgar, comprar em excesso também”.

Editora do Ela (caderno de assuntos femininos de O Globo), Renata esbanja conhecimento sobre o que lhe parece ser a melhor estratégia para quem se preocupa com elegância. E cita Michelle Obama como exemplo. “A primeira-dama americana não só repete roupas sem constrangimento, como frequentemente veste marcas desconhecidas, buscando apoiar jovens estilistas, e usa peças de redes de fast fashion”.

Para arrematar a lição de moda – assunto sobre o qual nunca tive afinidade, mas sou absolutamente vulnerável a textos inteligentes – Renata cita um ícone do mundo fashion, um mestre do estilo, Yves Saint Laurent : “o importante em um vestido é a mulher que o usa”.

Recomendo a leitura pela forma elegante – e demolidora – com que Renata defende o conceito do “menos é mais”:

Cláudia Cruz esbanja com marcas, mas jamais foi vista na lista das mais bem-vestidas

 

 

André Trigueiro