Por Mundo Sustentável | março 10, 2016 3:36 pm

 

Não importa qual a última notícia ruim ou bombástica da economia ou da política. Violência urbana, guerras abusos. As desgraças de sempre ou novos sinais daquilo que alguns ainda teimam em associar ao “fim do mundo”.

Por mais que do lado de fora a crise pareça cada vez mais aguda, convém não negligenciar os cuidados mínimos com seu lado mais profundo.

Há um momento do dia – e fazer isso na largada de mais uma jornada é particularmente importante – em que precisamos perceber exatamente como estamos, onde estão nossos pensamentos e o nosso coração.

Tal como um jardineiro zeloso de seu ofício, é preciso remover as folhas secas do pessimismo, arrancar os parasitas do queixume, deixar entrar a luz da esperança e a água que dessedenta a alegria.

O jardineiro atento dispõe de algumas ferramentas importantes para alcançar seus objetivos. A prece (para pedir, louvar ou agradecer a quem você quiser, do jeito que quiser), a meditação (o cardápio de técnicas é variado mas se quiser apenas fechar os olhos e prestar o máximo de atenção em sua respiração, já haverá resultado), uma leitura edificante que lhe proporcione ideias inspiradoras, um contato mais íntimo com a natureza (se só lhe sobrou olhar pra cima e perceber as nuvens do céu, ou reparar numa trilha de formigas, aproveite a experiência!), entre outras providências que tem o poder de aproximá-lo de si memo.

São cuidados mínimos, que se respeitados, reforçam nossa capacidade de enfrentar com equilíbrio e serenidade o que vem por aí. Seja o que vier, vai passar. O importante é cuidar bem do nosso jardim espiritual. É para isso que estamos aqui.

No mais, vale relembrar um trecho de uma bela música da querida Leila Pinheiro, escrita por Walter Franco.

“Tudo é uma questão de manter
A mente quieta
A espinha ereta
E o coração tranqüilo”

Quem disse que é fácil?
Mas a disciplina antecede a espontaneidade.

Um bom dia pra você!

 

 

André Trigueiro