Por Mundo Sustentável | agosto 31, 2015 8:04 am

 

Fonte: Greenpeace

 

O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (IMAZON) publicou ontem os resultados de seu Sistema de alerta do Desmatamento, o SAD, e as taxas consolidadas para o ano são altas: a área com desmatamento foi 63% maior, entre agosto de 2014 e julho de 2015, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Só em julho, foram detectados 542 KM2  com alertaS de desmatamento, área 53% maior que o registrado em julho do ano passado.

“O SAD não é o instrumento mais indicado para medir as áreas perdidas, pois só “enxerga” desmatamentos maiores que 25 hectares. Porém, ele dá uma boa indicação do que podemos esperar na divulgação da taxa oficial medida pelo INPE, nos últimos anos tivemos apenas uma divergência entre as duas tendências”, explica Rômulo Batista da campanha da Amazônia.

Outro aumento muito preocupante foi o de trabalhadores do campo e ativistas ambientais mortos. Segundo informações da Comissão Pastoral da Terra, publicadas no final de julho, foram 23 mortos só no primeiro semestre, sendo 22 na Amazônia. Pessoas simples, camponeses, que foram mortos por sua luta para manter suas terras e modo de vida, impedindo assim o avanço do desmatamento e da exploração ilegal da floresta.

Infelizmente a violência continua e esta semana levou o Sr. Raimundo Santos Rodrigues. Conselheiro da Reserva Biológica do Gurupi desde 2012, ele era um defensor ferrenho da floresta e vinha denunciado a exploração ilegal da floresta.  Sua esposa, que o acompanhava no momento do ataque dos assassinos, também foi atingida e segue internada.

O Brasil já conseguiu reduzir o desmatamento. Mas enquanto não houver melhoria e investimento na governança na Amazônia, um compromisso real com o Desmatamento Zero, o combate à exploração ilegal de madeira e o reconhecimento, respeito e proteção aos direitos dos povos tradicionais da floresta  por parte dos Governos Federal e Estaduais, a paz na floresta nunca será alcançada.

Recentemente o governo brasileiro se comprometeu a acabar com o desmatamento ilegal até 2030, ou seja, cumprir a lei daqui a 15 anos. Mas, até lá, quantas arvores serão tombadas e quantas vidas serão perdidas nos rincões amazônicos?

 

 

Postado por Daniela Kussama