Por Mundo Sustentável | junho 3, 2013 4:30 am

 

Fonte: Formou! O Globo

 

Bem-vindo ao novo mundo! Ele está surgindo a partir da maior crise ambiental da História da Humanidade e começa a oferecer excelentes oportunidades de trabalho para quem investir em conhecimento e inovação. O norte magnético da bússola aponta na direção da sustentabilidade, e o analfabetismo ambiental poderá custar caro ao profissional do século XXI.

As mudanças em curso ocorrem em uma velocidade aparentemente maior do que a capacidade de as universidades – e o próprio mercado – se darem conta do que está acontecendo. A expressão da moda é “se reinventar”, ou seja, ocupar um espaço que aparece sem aviso prévio, mas que exige a capacidade de realizar algo de forma diferente em novas funções estratégicas nas rotinas do setor público e privado.

É gente que se especializa, por exemplo, em calcular a pegada ecológica de uma empresa, certificar um produto com selo verde, reduzir ou compensar as emissões de C02 de um evento, descobrir no lixo ou no esgoto novas fontes de energia, produzir relatórios anuais de sustentabilidade, gerenciar riscos ambientais, construir novos modelos de medição de riqueza em um mundo onde a expressão “economia verde” ganha força e prestígio, e por aí vai.

Algumas profissões já estão se adaptando aos novos tempos. Advogados interessados em Direito Ambiental, engenheiros e arquitetos antenados com as demandas da construção sustentável, jornalistas especializados em meio ambiente, cineastas e documentaristas que transformam em arte histórias felizes ou tristes da natureza, estilistas comprometidos com uma indústria da moda menos predadora, agrônomos que seguem na contramão do uso intensivo de agrotóxicos e transgênicos.

O que está vindo por aí sinaliza um mercado mais ético, sintonizado com o futuro, preocupado com o legado que deixaremos para as próximas gerações. À frente desse processo, os jovens que hoje estão decidindo o que fazer da vida. Aproveitem a chance! É um privilégio testemunhar esse momento e participar da construção de um mundo melhor e mais justo, um mundo sustentável.

 

André Trigueiro