Por Mundo Sustentável | agosto 29, 2011 6:24 pm

 

Por André Trigueiro


Lisa Jackson, coordenadora do EPA (Environmental Protection Agency). Crédito: Carlos Kulps

 

Ela é a primeira afro-americana à frente da principal autoridade ambiental dos Estados Unidos. Ao assumir o cargo logo após a eleição de Obama, Lisa Jackson frisou que a partir daquele momento os estudos científicos voltariam a balizar as decisões do EPA (Environmental Protection Agency) numa clara alusão ao período obscurantista da era Bush em que alguns estudos ligados principalmente às mudanças climáticas eram vetados ou censurados acintosamente quando demonstravam os equívocos cometidos pelos antigos ocupantes da Casa Branca.

 

“Nós somos a primeira administração a declarar que os gases de efeito estufa ameaçam a saúde pública e o bem-estar. A administração Bush não fez essa declaração e, na verdade, evitou esta declaração”, disse Lisa em entrevista exclusiva ao programa Cidades e Soluções. Ela esteve no Brasil em agosto chefiando uma delegação de empresários americanos interessados em vender produtos e serviços que ajudem o Brasil a tornar tanto a Copa do Mundo de 2014 quanto às Olimpíadas de 2016 eventos mais sustentáveis. A visita é um dos resultados do encontro entre Dilma e Obama no início do ano no Brasil. Em situação econômica ainda difícil, os Estados Unidos reconhecem no Brasil um potencial importador de equipamentos e tecnologias associados à economia verde.

 

Se é verdade que Obama fracassou na tentativa de liderar mundialmente uma cruzada contra as emissões crescentes de gases estufa – o presidente americano teve seu projeto “Cap and Trade” de redução das emissões domésticas de gases estufa barrado no senado pelos republicanos – também é verdade que nesses quase três anos de governo houve alguns avanços na política ambiental americana.


André Trigueiro e Lisa Jackson. Crédito: Carlos Kulps

 

 

A regulação mais severa imposta ao setor automotivo e aos fabricantes de combustíveis que passaram a ter prazos e metas mais rígidos na busca por maior eficiência energética é um exemplo. Novos cursos profissionalizantes que ensinam mecânicos americanos a lidar com a nova geração de carros híbridos, a formação de novos profissionais que aprendem a fazer a vedação correta de casas e escritórios para economizar energia, os investimentos crescentes em fontes limpas e renováveis bem como em sistemas de distribuição de energia inteligentes – “smart grids” – inspiram políticas públicas ainda ofuscadas pela grave crise econômica herdada do governo anterior. A soma dos recursos públicos investidos até agora em fontes limpas e renováveis e eficiência energética chega a 90 bilhões de dólares.

 

Foi durante a gestão de Barack Obama que os Estados Unidos enfrentaram o maior desastre ambiental de sua História. Em 20 de abril de 2010, uma explosão na plataforma Deepwater Horizon da companhia britânica BP, no Golfo do México, matou onze pessoas e deu início a um vazamento de mais de setecentos milhões de litros de petróleo. Foram quase três meses de tentativas desesperadas e improvisadas até que o vazamento fosse controlado. A tragédia provocou violentos impactos sobre a vida marinha, o turismo e a pesca na costa leste americana.” Eu diria que a lição a ser aprendida com o vazamento de petróleo no Golfo do México é que você precisa construir o tipo de regulamentação de prevenção, para evitar problemas depois. Você sabe, as empresas vêm com as melhores intenções, para fazer um bom trabalho. Mas elas também têm muita urgência em ter lucro e fazer o que for possível para obter estes recursos”.

 

Lisa Jackson enfrenta críticas dos grandes poluidores americanos que alegam não ter recursos sobrando neste momento de crise econômica para atender as normas ambientais exigidas pelo EPA. “Você sabe, há aqueles que acreditam que você tem que escolher entre uma economia forte e um meio ambiente limpo. E eu simplesmente não acredito nisso. Eu acredito que você tem que ter os dois juntos”.


Lisa Jackson em entrevista exclusiva ao programa “Cidades e Soluções”. Crédito: Carlos Kulps

 

 

Ao ser indagada sobre qual seria o maior problema ambiental dos Estados Unidos hoje, Lisa cita as mudanças climáticas mas lembra também da preocupante situação das águas em seu país: “a poluição fez com que os americanos vissem a água que era limpa, de repente, tornar-se imprópria para pesca, nado ou para beber.”

 

Ela reconhece a enorme pressão que acontece neste momento nos Estados Unidos em favor da exploração de gás natural a partir do xisto, cujo processo de conversão demanda um alto consumo de água. “Precisa ser feito de forma segura, de forma a respeitar nossos estoques de água, mas, se acontecer, nós vamos usar gás natural, que emite muito menos carbono como fonte de energia do que alguns dos outros combustíveis fósseis, como o carvão”.

 

Por quanto tempo os Estados Unidos ainda serão dependentes de petróleo? Lisa Jackson condiciona a resposta à capacidade do país investir rápida e progressivamente em inovação tecnológica.  Para ela, há condições de alcançar este objetivo ainda neste século. “Nós temos que ter baterias mais avançadas para armazenar energia, nós temos que ter um jeito de coletar a energia do sol e usá-la à noite para que possamos tê-la o tempo todo. Mas tudo isso é refletido na crença de que nós podemos fazer muito até o meio do século, até 2050, para reduzir nossas emissões de carbono”.

 

Sobre a Rio + 20, Lisa Jackson entende que a Conferência deve ser entendida como uma excelente oportunidade de compartilhar experiências bem sucedidas na direção de uma economia verde. “ Eu estou ansiosa para a Rio+20, por várias razões. Eu acho que chegou a hora de falarmos sobre uma economia verde mundial. E as pessoas vão estar no Rio para falar mais do que em ideias, mas exemplos mundiais reais sobre como o foco no meio ambiente mudou a vida das pessoas, as levantou e trouxe para elas um emprego onde não havia antes. Eu acho que isso é o que todos esperamos da Rio+20. Não mais ideiais ou metas, mas receitas reais para fazer o nosso planeta mais sustentável. E estou muito esperançosa de que uma das coisas que EUA e Brasil vão levar juntos é essa iniciativa conjunta em sustentabilidade urbana”. E o presidente Obama? Ele virá para a Rio +20? Lisa ri meio desconcertada. “Nós vamos descobrir, certamente vamos. Eu não posso comprometer o presidente, mas eu posso te dizer que é um encontro muito importante para os Estados Unidos.”